Atividade Física

Vamos falar sobre atividades físicas.

Atualmente, saúde e bem-estar físico e mental são considerados quase que sinônimos. Porém, nos primórdios, para o homem primitivo, as doenças eram o resultado da ação de seres demoníacos (a pena para alguma transgressão perpetrada). Esse era o modelo Mágico-religioso, segundo o qual a saúde só poderia ser restabelecida por meio dos cuidados de um xamã.

saude e bem estar fisico

Alguns milhares de anos deveriam transcorrer, até que, por volta de 3.000 a.c., surgisse o modelo Empírico-Racional. Segundo este modelo, as doenças eram o resultado dos humores corporais: sangue, bílis amarela, fleugma e bílis negra. Portanto, as doenças seriam o resultado de um desequilíbrio desses humores, enquanto a saúde, obviamente, seria o seu equilíbrio.

Agora, finalmente, estamos no séc. XVI, e a Idade Moderna avança a passos largos! Nesse período, muito por conta da poderosa influência de René Descartes, as doenças passaram a ser vistas como simples defeitos da “Máquina Humana”, e a saúde, portanto, seria obtida por meio do simples ajuste dessa “engrenagem” — sem que nenhum fator subjetivo fosse levado em consideração.

Eram outros tempos! A noção de que o indivíduo possuía um espírito, que também necessitava de cuidados, ainda não existia.

Foi preciso que o conceito de Holismo (conceito grego, posteriormente difundido pelo estadista e intelectual sul-africano, Jan Smuts” – 1870-1950) fosse resgatado, para que a noção de saúde e bem-estar físico e mental passasse a gozar do devido prestígio.

Surge, portanto, a noção de “saúde holística”, que agora define a saúde como “um estado de bem-estar físico, mental e espiritual, no qual o indivíduo é visto em toda a sua integralidade, em todas as suas dimensões, e não apenas reduzido aos seus aspectos físicos e biológicos”.

O que é qualidade de vida?

Poucos são aqueles que se arriscam a “bater o martelo” sobre a definição de “qualidade de vida”. São vários os fatores que devem ser levados em consideração para determinar se alguém tem ou não uma vida de qualidade. E a saúde e bem-estar físico e mental, obviamente, é o principal deles.

Tais fatores devem levar em consideração situações sociais, econômicas, emocionais, biológicas, entre várias outras que, em harmonia, acabam formando um “todo”, capaz de caracterizar o estado de plenitude de um indivíduo.

Para Rufino Netto (1994), qualidade de vida é “aquela que ofereça condições mínimas para que os indivíduos possam desenvolver o máximo das suas capacidades, sejam estas: viver, amar, sentir, trabalhar, produzir, praticar ciência ou artes”.

Logo, é possível ao menos esboçar algo como uma definição de qualidade de vida, como sendo uma sensação de plenitude física, mental e espiritual. Sempre levando em consideração, é claro, um estado de saúde e bem-estar físico e mental, capaz de permitir que o indivíduo esteja em constante ação, e, principalmente, com as rédeas da sua vida individual nas próprias mãos.

Nesse caso, os fatores objetivos e subjetivos andam de mãos dadas, assim como a sua percepção do que lhe faz bem, sobre o que lhe completa e sobre o que lhe traz paz, dentro de um contexto histórico, temporal e social.

Saúde e bem-estar físico e mental: um dos conceitos de felicidade.

Gastrites, erupções cutâneas, úlceras, hipertensão, problemas cardíacos, cânceres, entre outras inúmeras patologias, em muitos casos, é o resultado de altos níveis de estresse e ansiedade no dia a dia dos indivíduos, que vivem às voltas com uma luta sem trégua pela sobrevivência.

No entanto, de acordo com os especialistas, alguns exercícios físicos, comprovadamente, podem atuar poderosamente em benefício da saúde emocional de uma pessoa.

30 min diários de exercícios aeróbicos de baixa intensidade, por exemplo, estimulam a produção da proteína BNDF, que melhora o humor e ajuda a garantir a sobrevivência e o melhor funcionamento dos neurônios.

Já os exercícios de resistência, como trilhas, musculação, escaladas, etc., pelos menos três vezes por semana, aumentam os níveis de IGF-1, endorfina, serotonina e ocitocina — conhecidos por serem os cultuados hormônios do prazer, bem-estar e do amor.

Os exercícios relaxantes (yoga, tai chi chuan, alongamentos, meditação, entre outros) diminuem os níveis de adrenalina, noradrenalina e cortisol no sangue, ao passo que também estimulam os hormônios ligados ao bem-estar e ao prazer.

Enfim, saúde e bem-estar físico, mental e espiritual pode ser considerada a definição por excelência de felicidade! Da felicidade possível! Felicidade que já pode ser alcançada durante a própria busca por essa plenitude. Por meio da moderação dos desejos e aspirações, da prática de exercícios físicos e pela integração ao universo e a tudo o que há ao seu redor.

A gente sempre ouve por aí em como fazer para ganhar músculos, certo? Muitas pessoas querem ter a musculatura desenvolvida e ficar com o corpo grande. Entretanto, há diversos casos em que o indivíduo deseja perder massa muscular, por vários motivos. Para isso, é preciso adotar alguns hábitos alimentares e praticar exercícios físicos corretos.

como perder massa muscular

Os músculos do corpo humano são muito importantes para a sustentação, postura e força. Na nutrição, as proteínas são essenciais para a manutenção e hipertrofia da musculatura. Não é à toa que bodybuilders e pessoas que buscam ganhar músculos adotem uma dieta rica em alimentos que contém alta quantidade de proteínas.

Já outras pessoas procuram perder massa muscular para alcançar alguns objetivos. Dentre eles, podemos citar questões estéticas, onde os indivíduos desejam ter um corpo menos musculoso.

Há casos de atletas e bodybuilders que não querem ter tantos músculos como na época em que competiam, e deste modo, buscam a perda da massa muscular.

Em algumas situações, a perda de músculos é interessante e estratégica para alguns atletas. Exemplos de triatletas são bem comuns, pois neste esporte a máxima performance é fundamental para um excelente desempenho. Adquirir o balanço energético e muscular ideais pode significar melhores resultados nas 3 modalidades em conjunto.

Portanto, confira neste post sobre como perder massa muscular. É importante destacar que deve-se procurar um nutricionista, nutrólogo, médico ou educador físico para o acompanhamento deste processo. Não é recomendado que as pessoas adotem mudanças bruscas na alimentação e façam exercícios físicos sem o devido suporte profissional.

Exercícios para perder massa muscular

como perder massa muscular

Primeiramente, os exercícios para a perda de massa muscular são bem específicos, devendo ser realizados em uma intensidade mais leve. Não se deve buscar a máxima potência em qualquer destes exercícios para que justamente a musculatura não precise ser muito estimulada. Deste modo, os músculos não irão se desenvolver mas sim serem gastos pela demanda energética.

Exercícios que estimulam principalmente o sistema cardiovascular são os mais indicados. O coração, por ser um órgão que exige muita energia para funcionar, é um grande aliado para a perda muscular.

Através de práticas físicas direcionadas, os chamados exercícios aeróbicos promovem a constante atividade cardíaca e alto gasto calórico. Assim sendo, são ideais para alcançar o objetivo de perder massa muscular.

E aqui vai um breve cronograma para ser realizado durante a semana. Na segunda, quarta e sábado, corrida leve de 5 Km, com tempo estimado em 1 hora. Terça, quinta e domingo, bicicleta ou natação, também durante 1 hora e de leve intensidade. Sexta-feira será o único dia de descanso. Deste modo, seu corpo aprende uma rotina de atividades físicas, estimula o sistema cardiovascular e levando à perda da massa muscular.

Para perder músculos nos membros inferiores há algumas importante dicas. Faça exercícios com maior número de repetições. Caso esteja levantando peso, realize estas práticas de modo mais rápido. Adicionalmente, descanse menos entre os intervalos.

Para os membros superiores, parece que a regra é mais extrema. Os especialistas recomendam que não se faça qualquer tipo de exercício físico para os músculos do braços e arredores. É preciso ficar atento e, novamente, lembramos da importância de um acompanhamento profissional.

Alimentação correta para perder massa muscular

como perder massa muscular

Uma vez que os músculos são majoritariamente constituídos por proteínas, é indicado que este macronutriente seja bastante reduzido da dieta. Dê preferência para carboidratos e lipídeos, mas tenha atenção, pois estes nutrientes são muito calóricos e podem levar ao aumento de peso.

Logo, é importante unir a alimentação correta com exercícios físicos apropriados. Assim, o gasto de energia sempre será maior do que o consumo de calorias. Como consequência, a perda da massa muscular se torna viável e de forma controlada.

As principais dicas na alimentação incluem diminuir o consumo total de calorias e não comer muita quantidade de proteína.

Portanto, deixe de lado as carnes, ovos e outros alimentos ricos em nutrientes protéicos. Adicionalmente, não recomenda-se comer antes dos exercícios físicos para que o organismo gaste a energia armazenada.

Caso tenha interesse em perder massa muscular, procure um profissional especializado e converse sobre os motivos e métodos disponíveis. Procure uma alimentação correta e a prática de exercícios adequados para este objetivo. Cuide sempre do seu corpo e da sua saúde! Perca massa muscular com qualidade!

Aqui no Gyotoku, você tem acesso a muito conteúdo sobre Atividades físicas e afins.